Blog

25 roteiros em São Paulo – Conheça e divirta-se!

25 roteiros em São Paulo – Conheça e divirta-se!

Você realmente conhece São Paulo? No dia 25 de janeiro a capital completa 463 anos de história, por isso listamos 25 programas completamente paulistanos. Confira nossas sugestões: 

5 feiras de artesanato em Sampa

Feira Boliviana – Kantuta

Feira da comunidade boliviana em São Paulo, com produtos e comidas típicas da Bolívia.
Domingo, 11h às 19h.
Rua Pedro Vicente, s/nº, Canindé.

Omaguás

Além de expositores de arte­sanato, a feira conta também com programação de inter­venções artísticas.
Domingo, 10h às 17h.
Praça dos Omaguás – Avenida Pedroso de Morais, 900, Pinheiros.

Feira de Antiguidades do Bixiga

Reunião semanal de expositores de antiguidades em um dos bair­ros mais italianos de São Paulo .
Domingo, 08h às 16h.
Praça Dom Orione, s/nº, Bela Vista.

República

Uma das maiores e mais anti­gas feiras de artesanato e gas­tronomia da cidade.
Sábado e domingo, 09h às 17h.
Praça da República, s/nº, República.

Feira da Praça Benedito Calixto

Ponto de encontro dos amantes de arte, antiguidades e roupas, a feira conta também com roda de chorinho das 14h30 às 18h30.
Sábado, 09h às 18h.
Praça Benedito Calixto, s/nº, Pinheiros.

5 mirantes da capital paulista

Shopping Cidade Jardim

Este centro comercial de alto luxo possui um terraço que revela a modernidade do mais impressionante eixo de desenvolvimento recente da cidade. Com vários dos mais recentes grandes edifícios comerciais do país, essa região da Marginal Pinheiros destaca-se pela contemporaneidade de impactantes edifícios espelhados ao redor do Rio Pinheiros, coroados pela inovadora Ponte Estaiada Octávio Frias de Oliveira.

Este cenário é ilustrativo da força econômica da cidade e é uma das caras da São Paulo do novo século. O terraço do Shopping Cidade Jardim também abriga restaurantes com vista panorâmica.

De 2ª a sábado, das 10h às 23h; domingos e feriados, das 12h às 22h.

Av. Magalhães de Castro, 12.000 – Morumbi.

www.shoppingcidadejardim.com

Edifício Copan

O Edifício Copan, com sua inconfundível forma em “S”, é um dos principais cartões postais da cidade. Projetado na década de 1950 pelo grande expoente da arquitetura moderna brasileira, Oscar Niemeyer, com a colaboração do arquiteto Carlos Lemos, foi inaugurado em 1966. Da cobertura do prédio tem-se uma impactante vista da urbanidade da região central da cidade. Alguns dos atrativos que podem ser vistos da cobertura do Copan: o Edifício Itália, o prédio do antigo Hotel Hilton, a Igreja da Consolação, a Marginal Tietê e a Avenida Paulista, facilmente reconhecível por suas antenas.

2ª a 6ª, às 10h30 e às 15h30. Exceto feriados.

Duração da visita: 10 minutos. Entrada Gratuita.

Av. Ipiranga, 200 – Bloco F (Sobreloja) – República.

www.copansp.com.br

Edifício Itália

Considerado o segundo maior edifício da cidade, com 46 andares distribuídos em 165 metros de altura, o Edifício Itália foi projetado pelo arquiteto alemão Franz Heep e inaugurado em 1965. No topo do prédio encontra-se um dos mais tradicionais restaurantes da cidade, o “Terraço Itália”, com uma linda vista panorâmica. Mas também é possível apreciar a paisagem urbana paulistana em toda sua grandiosidade a partir do alto do Itália gratuitamente durante a semana.

Você poderá ver diversos pontos e vias conhecidas da cidade, entre os quais o Edifício Altino Arantes, a Serra da Cantareira, o Elevado Costa e Silva e a clássica vista do Copan com a Avenida Paulista ao fundo.

Horário da visitação gratuita: 2ª a 6ª, das 15h às 16h. Exceto feriados.

Av. Ipiranga, 344 – 41º Andar – República.
www.edificioitalia.com.br

Parque Estadual do Jaraguá – Pico do Jaraguá

Criado em 1961, o Parque Estadual do Jaraguá é parte do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo, uma reserva de Mata Atlântica declarada patrimônio natural da humanidade pela Unesco em 1994. Conhecido por ser o ponto mais alto da região metropolitana, o pico chega aos 1.135 metros de altitude e conta com mirantes que permitem diferentes perspectivas. O mais alto deles, acessível somente após subir uma escadaria, revela um panorama grandioso que combina a metrópole à natureza exuberante em 360º de uma amplitude até onde a vista pode alcançar.

Para se chegar até os mirantes, é possível usar o carro ou passar por trilhas em que se pode observar, além de lagos e nascentes, animais silvestres em seu habitat natural.

Diariamente, das 7h às 17h. Entrada gratuita.
Rua Antônio Cardoso Nogueira, 539 (Acesso pela Rod. Anhanguera, Km 18) – Vila Chica Luisa.

www.ambiente.sp.gov.br/parque-estadual-do-jaragua/

Praça do Pôr-do-Sol

O nome pelo qual a Praça Coronel Custódio Fernandes, localizada no Alto de Pinheiros, é popularmente conhecido já diz tudo: este é o endereço certo para quem deseja apreciar um belíssimo pôr-do-sol na cidade.

Um passeio pela praça oferece uma vista privilegiada de São Paulo, diferente daquela que habita o imaginário coletivo.

Uma concentração não tão grande de edifícios e muito verde. Os bairros que rodeiam o local e a Cidade Universitária, do outro lado do Rio Pinheiros, compõem parte do cenário. Alguns edifícios ganham destaque no horizonte, entre os quais o inconfundível prédio do Complexo Ohtake Cultural, projetado pelo arquiteto Ruy Ohtake.

Entre a R. Desembargador Ferreira França e a R. dos Macunis. 

5 experiências completamente paulistanas

Sala São Paulo

Sede da Orquestra Sinfônica do Estado (Osesp), a Sala São Paulo está entre as melhores casas de concertos do mundo, equiparando-se à Boston Symphonic Hall, ao Musikvereinssaal, em Viena, e à Concertgebouw, em Amsterdã. Inaugurada em 1999, fica numa antiga estação de trem e tem um forro com placas móveis (composto por blocos independentes) que se ajustam a qualquer apresentação e permitem uma acústica perfeita. As tecnologias mais modernas transformaram o coração da estação, com pé-direito de 24 metros, em uma suntuosa sala de concertos, com 1.509 lugares.

Sala São Paulo
Praça Júlio Prestes, 16 – Centro.

www.salasaopaulo.art.br

Canto Gregoriano

A Basílica Nossa Sra. da Assunção existe há mais de 400 anos, mas o prédio atual foi erguido só em 1912.

Conhecer a bela igreja no centro da cidade, tomada pelo cheirinho de mirra, é uma experiência que vale inclusive para não religiosos. No domingo, o Mosteiro São Bento, como é conhecido, lota de gente para ver a missa com canto gregoriano e órgão, às 10hs. O que muitos não sabem é que todo dia é dia de cantoria, às 7 da manhã.

Mosteiro de São Bento Largo de São Bento, s/n.

www.mosteiro.org.br

Sotaque italianado

O sotaque italiano faz parte do falar do paulistano. Mas fica mesmo acentuado nas ruas da Mooca, em festas religiosas como a da Achiropita e nas cantinas da Bela Vista, chamada de Bixiga. Na festa de San Gennaro, na Mooca, são servidos 60 mil pratos de macarronada. Em agosto, na festa de Nossa Senhora da Achiropita, os descendentes da Bota vêm comer pizza e fogazza e mostrar quem manda no Bixiga. No Brás, outro bairro de cantado forte, acontece a festa de São Vito.

www.associacaosaovito.com.br

www.achiropita.org.br

www.sangennaro.org.br

A pompa do Teatro Municipal

Mesmo num dia sem programação, só olhar para o Teatro Municipal equivaleria a assistir a uma grandiosa apresentação. A fachada lembra a Ópera de Paris, e no interior há obras de arte, colunas neoclássicas, vitrais e um lustre com 7 mil cristais belgas. Subir suas escadarias dá a sensação de ser alguém importante, que está sempre na hora e no lugar certos.

Aliás, essa sensação de pertencer ao que o mundo tem de melhor será corriqueira nos dias em que você estiver na cidade.

Hoje, o Municipal abriga o Balé da Cidade, a Orquestra Sinfônica Municipal, o Coral Paulistano, a Escola Municipal de Música, a Escola de Dança de São Paulo, o Coral Lírico, a Orquestra Experimental de Repertório, o Quarteto de Cordas e diversas atrações internacionais.

Praça Ramos de Azevedo.
www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/teatromunicipal

Ensaios de Carnaval

Assim como no Rio, as quadras da cidade viraram balada – e das melhores. Não apenas os “do métier” comparecem, mas também simpatizantes, curiosos, gringos e gente a fim de se divertir sem gastar muito. A Rosas de Ouro e a Mocidade Alegre atraem milhares de pessoas para dentro de suas casas. Já a Vai-Vai ensaia nas ruas, arrastando multidão equivalente.

Rosas de Ouro
Rua Cel. Euclides Machado, 1066.

www.sociedaderosasdeouro.com.br

Vai-Vai

Rua São Vicente, 276.

www.vaivai.com.br

Mocidade Alegre

Avenida Casa Verde, 3498.

www.mocidadealegre.com.br

5 roteiros de compras em São Paulo

Mercado Municipal

Uma experiência sensorial pode ser vivida no Mercado Municipal de São Paulo, o famoso “Mercadão”. Localizado em um belíssimo edifício histórico de 1933, projetado pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, o prédio é ornamentado com deslumbrantes vitrais do artista Conrado Sorgenicht Filho. Lá você poderá caminhar por corredores repletos de cores e cheiros, provar frutas exóticas, verduras, legumes, grãos, queijos, peixes, temperos. Além disso, escutar os comerciantes e suas criativas e divertidas formas de abordar os potenciais clientes, conferir parte da diversidade gastronômica paulistana, também expressa na infinidade de ingredientes e, é claro saborear delícias que já fazem parte da tradição da cidade, como o exuberante sanduíche de mortadela e o saboroso pastel de bacalhau.

Rua da Cantareira, 306 – Sé.

2ª a sábado das 6h às 18h; domingo e feriado das 6h às 16h.

www.mercadomunicipal.com.br

Plantas e flores

São Paulo é cidade de quem trabalha até tarde mas também de gente que madruga para ir trabalhar. Se milhares de atrações não forem suficientes para você levantar cedo, que tal a maior feira de flores e plantas do país? Marca registrada do Ceagesp, a Feira de Flores, realizada no Pavilhão Mercado Livre do Produtor (MLP), reúne cerca de mil produtores de flores, plantas, grama e mudas.

Conta ainda com uma área especial, reservada para acessórios e artesanato. Semanalmente, são comercializadas entre 800 e 1 mil toneladas de flores e plantas. Em cada um dos dias em que é realizada, circulam em média de 5 mil a 8 mil pessoas.

3ª e 6ª feira das 0h às 9h30 (da 2ª feira para 3ª feira e de 5ª para 6ª feira – inclusive aos feriados)
Pavilhão Mercado Livre do Produtor (MLP) –  Av. Dr. Gastão Vidigal, 1946 – Vila Leopoldina.
Estacionamento pelos portões 4 e 7

2ª e 5ª feira das 2h às 14h* (inclusive aos feriados)
Praça da Batata – Av. Dr. Gastão Vidigal, 1946 – Vila Leopoldina.
Estacionamento pelos portões 6 e 18 (veículos pequenos) e portão 7 (veículos grandes)

www.ceagesp.gov.br/entrepostos/feiras-de-flores/

Compras populares

Os decibéis podem deixar qualquer feira de rua no chinelo. Mas a quantidade de sotaques (brasileiros dos mais variados, de vendedores estrangeiros, como bolivianos e coreanos, de compradores gringos…) mais as bugigangas e os tipos diferentes de pessoas, valem a visita. Nas barracas e lojas da rua 25 de Março, há perfumes, bolsas, eletrodomésticos, artigos para festas, tapetes, artesanato, tecidos, roupas, brinquedos e mais um semfim de objetos. Todo santo dia a 25 atrai cerca de 400 mil pessoas.

O Brás se tornou o maior centro de comércio de moda do país e o maior produtor e exportador de jeans da América Latina. Tem confecções de jeans, moda praia, lingerie, cama, mesa e banho e enxoval. Vem gente de todas as partes do Brasil para aproveitar a variedade e os preços mais baixos, a região abastece lojas e estilistas dos endereços mais nobres da capital paulista. São mais de 5.000 lojas, 55 ruas comerciais e uma circulação de 300 mil pessoas por dia.

Mercado de Luxo

O showroom Stuttgart Sportcar, na avenida Europa, é um antigo ponto de encontro dos aficionados da marca Porsche. Por ali, ficam algumas das principais concessionárias de carros de luxo do país. Quem não troca a visão de uma Ferrari por nada, deve ir à Via Itália, empresa que representa a marca no Brasil. Como poucos têm dinheiro para levar esses brinquedos para casa, a maioria das pessoas quer apenas chegar perto de seus sonhos, tocar os carrões ou adquirir uma lembrança das “lojinhas”.

Sedas, linhos, caimentos perfeitos. Uma das ruas mais luxuosas do mundo, segundo pesquisa do instituto Excellence Mystery Shopping International, a Oscar Freire fica nos Jardins. O bairro é morada das melhores grifes do planeta, como Louis Vuitton, Marc Jacob e Versace.

A Alameda Gabriel Monteiro da Silva é a rua que concentra as mais famosas grifes na área da decoração da cidade. O espaço é disputado por todo tipo de lojas: de móveis e objetos a portas, painéis, eletrodomésticos, cozinhas, iluminação, tapetes e tudo o que se pode precisar ou desejar para transformar o espaço doméstico em um cobiçado ambiente digno das mais renomadas revistas de decoração. Pode-se encontrar desde excelentes produtos sem marca conhecida a objetos de desejo com assinatura de famosos como os Irmãos Campana.

Grandes Galerias

O Shopping Center Grandes Galerias, mais conhecido como Galeria do Rock, é um desses espaços onde a gigantesca diversidade de tipos urbanos de São Paulo está escancarada. Em seus mais de 450 pontos comerciais, identifica-se uma enorme gama de estilos e tendências, tanto de perfil de público quanto de serviços oferecidos neste verdadeiro pólo cultural que tem 3 conceitos como base: arte, música e atitude.

Respira-se um ambiente vanguardista, fruto da convivência entre tão diferentes grupos que mantém o local como uma referência da cultura de rua de São Paulo. Recebendo mais de 20 mil visitantes por dia, está sempre repleto de jovens e de antigos frequentadores que fazem pulsar seus corredores desde a inauguração em 1963.

Av. São João, 439 – República.

2ª a 6ª das 9h às 20h; sábado das 9h às 17h.

5 zonas criativas na cidade

Arte na Vila Madalena

A Vila Madalena é conhecida pelos bares efervescentes, restaurantes deliciosos, lojinhas e livrarias e também por ter sido escolhida por vários artistas como moradia, local de trabalho ou palco de exposições. Desde os anos 1980, os grafiteiros transformaram suas ruas e paredes em espaços de arte. O mais emblemático deles é a rua Gonçalo Alonso, o “Beco do Batman”. O beco começa na rua Harmonia e envereda pelas quebradas da Vila. Passear por ali deixa a sensação de uma imersão em uma história em quadrinhos.
Para ter a experiência de uma galeria refinada no bairro, conheça a Fortes Vilaça, com artistas como Vik Muniz, Adriana Varejão e os Gêmeos.

­

Baixo Augusta

Um dos maiores exemplos da energia transformadora da cidade. Há menos de 10 anos praticamente restrito à decadência de boates voltadas para o público adulto, o chamado Baixo Augusta – trecho da Rua Augusta e cercanias que vai da Avenida Paulista até a Praça Roosevelt – é hoje uma das áreas mais efervescentes da metrópole. Região boêmia e cosmopolita que é uma vitrine da face mais moderna de São Paulo e tem como síntese a riquíssima diversidade humana, comercial e cultural.
Área convidativa a andar a pé, cada segredo desvendado em suas calçadas é um capítulo à parte: artistas de rua; sebos e livrarias; cinemas de rua especializados nos chamados filmes de arte; padarias 24 horas que são verdadeiros templos gastronômicos; discotecas que vão das apresentações ao vivo das melhores bandas da nova cena musical brasileira aos clubes de música eletrônica que funcionam após o raiar do sol; casas de shows especializadas, da música ao gênero de comédia standup; restaurantes e lanchonetes segmentados como hamburguerias, temakerias, kebaberias ou focados em culinária das mais diferentes nacionalidades, da indiana à espanhola, passando pelo norte da África; bares que vão desde o típico boteco até os que funcionam em teatros de consagradas companhias que produzem suas próprias peças; além, é claro, de algumas das antigas boates remanescentes.Tudo isso repleto por uma enorme diversidade de grupos urbanos, coroada por ser uma região gay-friendly de classe mundial, produzindo assim um caldeirão que só poderia existir em São Paulo.

Rua Augusta (entre a Avenida Paulista e a Praça Roosevelt).

Rua Avanhandava

Exemplo de espaço público reinventado pelo empreendedorismo do setor privado paulistano, a Avanhandava é um tradicional endereço de famosos restaurantes que passou por uma reforma de quase dois anos, concluída em 2007. Fruto de uma parceria entre o poder público e a Associação dos Restaurantes da Rua Avanhandava, a intervenção implantou melhorias urbanísticas, alargamento de calçadas e instalação de fontes e portal que conferiram à via um ar de boulevard. Com a obra, o fluxo de visitantes aumentou e foram instalados novos bares, restaurantes e outros estabelecimentos inspirados no caráter artístico e boêmio da rua, constituindo-a em um importante centro de gastronomia e lazer de São Paulo.

Entre as ruas Martins Fontes e Martinho Prado.

A Avenida Paulista e o Masp

A Avenida Paulista é um dos principais centros financeiros e culturais da capital. Ícone emblemático da cidade, por lá passam milhares de pessoas por dia. Além de possuir diversas opções de lojas e restau­rantes, é palco de grandes eventos e também abriga vários centros culturais, teatros e cinemas.

O Museu de Arte de São Paulo (MASP) se destaca. É um dos mais importantes museus do hemisfério Sul. Seu prédio é uma referência arquitetônica, já que sua cobertura é suspensa por vigas vermelhas, sob um vão livre de 74 metros. O museu possui um dos mais rele­vantes conjuntos de arte da América Latina, que contam com um acervo de oito mil peças, com obras de artistas renomados como Monet, Rafael, Renoir, Picasso e Van Gogh. Aos domingos, o local recebe uma feira de antiguidades com diversos artigos com garantia de autenticidade. No mesmo espaço, você pode apreciar mais um mirante da cidade a partir do vão livre do museu.

Em frente ao Masp, localiza-se o Parque Trianon, que abriga vegetação remanescente da Mata Atlân­tica, compondo um cenário tranquilo. A Casa das Rosas é um centro de cultura voltado para a poesia, literatura e arte. O casarão antigo foi construído em 1935 e projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo.

Na outra ponta da Avenida está o Conjunto Nacio­nal, com diversas lojas, cinema, megalivraria, centro de exposições e restaurantes. Na Av. Paulista ainda es­tão o Itaú Cultural, centro cultural FIESP, o cinema Reserva Cultural, o Teatro Gazeta e muitos outros.

Bairro da Liberdade

A maior comunidade japonesa do mundo (fora o Japão, claro) está na Liberdade. Os

japoneses dividem as ruas de luminárias típicas com chineses e coreanos, em meio a lojas de cosméticos, eletroeletrônicos, roupas e todo tipo de bugiganga. Possui decoração temática nas ruas com as tradicionais lanternas japonesas, além da arquitetura característica que pode ser vista em diversos pontos do bairro. Boa parte dos residentes no bairro fala a língua materna.

Vá pelo colorido, pelo clima hospitaleiro, pela diversidade, mas, principalmente, para provar as comidas do bairro.

A tradicional Feira da Liberdade, aos sábados e domingos, tem mais de 200 barracas com o melhor da culinária oriental: bolinhos de feijão, yakisobas, espetos e tempurás. Siga pela rua Galvão Bueno, cheia de mercadinhos, e desperte seus sentidos para salgadinhos e doces exóticos. Na Rua São Joaquim fica localizado o Templo Busshinji.

 

Saiba mais informações sobre estes roteiros e muitos outros no site http://www.cidadedesaopaulo.com/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *