Blog

Dia Mundial da Saúde: Sete hábitos que podem mudar sua vida

Dia Mundial da Saúde: Sete hábitos que podem mudar sua vida

Dia Mundial da Saúde: Sete hábitos que podem mudar sua vida

O que você faria se descobrisse que a adoção de 7 hábitos saudáveis poderia aumentar a longevidade humana?

Estaria disposto(a) a abandonar antigos hábitos nocivos à saúde e fazer estas mudanças para ganhar mais alguns anos e viver de forma melhor?

 

Muitos acreditam que os principais fatores que determinam a saúde e a qualidade de vida estão ligados a hereditariedade e fatores genéticos.
Por exemplo, filhos de portadores de doenças coronarianas ficam preocupados que as mesmas enfermidades possam desenvolver futuramente neles também.

Poucos levam em consideração que o que é feito com o corpo agora, como ele é cuidado, o que é consumido – ou seja, o estilo de vida, as escolhas diárias – impactam diretamente na prevenção ou potencialização do desenvolvimento das mesmas doenças que são “herança genética”. Alguém disse, com muito acerto: “A genética comprometida carrega a arma, o estilo de vida puxa o gatilho.”

Estudo científico

Um estudo realizado pelos doutores Breslow e Belloc, na Califórnia (EUA), em que foram analisados 6900 indivíduos, revelou sete fatores do estilo de vida que influenciam positivamente o tempo e a qualidade de vida das pessoas.

Segundo a pesquisa, quanto mais esses hábitos estão presentes, maior o tempo de vida biológico do indivíduo. Ficou constatada uma longevidade de até 12 anos a mais para os homens e 7 anos para as mulheres.

Quais são os 7 hábitos saudáveis?

Dormir entre 7 e 8 horas por dia.

O repouso com qualidade é uma lei biológica essencial para a saúde e longevidade. Alguns benefícios básicos são fortalecimento do sistema imunológico, diminuição do estresse, melhora da memória e do humor.

Tomar um café da manhã reforçado.

O organismo necessita de componentes nutricionais para processar informações e desenvolver as tarefas do dia, o melhor horário para esse abastecimento é no café da manhã. Após um longo jejum, o corpo precisa entender que não está mais em repouso e que pode utilizar as energias necessárias para exercer as funções vitais de maneira equilibrada.

Não comer exageradamente entre as refeições.

Entre as três refeições principais é necessário consumir alimentos leves para não deixar que o metabolismo diminua. Os lanches usam a energia de maneira correta para manter o corpo ativo e controlam o apetite, os níveis de gordura e glicose até a próxima grande refeição.

Beber moderadamente.

O álcool atua diretamente no funcionamento cerebral e em órgãos como fígado, coração e parede do estômago. Quando ingeridos em excesso, destacam-se danos como: saúde física, sexo desprotegido, infarto agudo do miocárdio, overdose alcoólica, quedas, acidentes de trânsito e muitos outros.

Não fumar.

O tabagismo é considerado a principal causa de morte evitável no mundo. Além de prejudicar o próprio usuário, o hábito também faz mal para quem convive com ele. Doenças como câncer, problemas cardiovasculares e pulmonares estão diretamente ligados ao consumo.

Peso adequado.

O sobrepeso e a obesidade, elevam os riscos de diabetes, derrame, hipertensão, apneia e câncer. A gordura corporal é essencial para o bom funcionamento do organismo desde que se mantenha dentro dos parâmetros recomendados.

Atividade física regular.

O exercício físico é um hábito que induz a outras atividades saudáveis como: alimentação saudável, descanso regular, consumo de água, controle da pressão arterial, entre outros. Com isso, quem é ativo afasta doenças como obesidade, hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes e hipertensão.

Pode-se concluir que a genética não é o fator mais importante na questão da longevidade. O estilo de vida e as escolhas são determinantes na longevidade e na qualidade de vida durante esses anos. É possível eliminar fatores negativos e diminuir grandemente o risco de morte prematura. Adotar hábitos saudáveis é a escolha mais assertiva para alcançar uma vida com mais qualidade.

Fonte: Site Minha Vida e pesquisa dos doutores Breslow e Belloc

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *