Blog

Junho Vermelho: Seja sangue bom. Participe!

Junho Vermelho: Seja sangue bom. Participe!

Junho Vermelho: Seja sangue bom. Participe!

A epidemia de dengue nos últimos meses levou muita gente a receber transfusão de sangue, isso fez com que o maior banco de sangue da América Latina – a Fundação Pró Sangue – entrasse em estado de urgência, com seus estoques quase zerados, principalmente os tipos sanguíneos O+, O-, A- e B-.

Não bastasse isso, o inverno e as férias do meio do ano costumam baixar em 30% o número de doadores. A Organização Mundial da Saúde recomenda que de 3% a 5% da população seja doadora de sangue, mas no Brasil, o índice é de 1,9%, considerado muito baixo.

Junho Vermelho

Diante deste cenário, a campanha Junho Vermelho chegou em boa hora. Organizada pelo Movimento Eu Dou Sangue pelo Brasil, a ação antecipa o Dia Mundial do Doador de Sangue, comemorado no dia 14.

Para reforçar a campanha, alguns monumentos e edifícios da cidade recebem iluminação especial este mês: Viaduto do Chá, Biblioteca Mario de Andrade, Ponte das Bandeiras, Monumento às Bandeiras, Estátua do Borba Gato, Câmara dos Vereadores, Sala São Paulo, Sede da Secretaria de Desenvolvimento Social, Sede da Secretaria de Saúde, Fonte do Parque do Ibirapuera, Instituto do Câncer, Memorial da América Latina e Assembleia Legislativa.

Para ser solidário é simples e rápido. Confira abaixo alguns requisitos e compareça em um dos postos de coletas listados aqui. Quem preferir, pode agendar um horário, clicando aqui. Mais informações no Alô Pró-Sangue: 0800-55-0300.

Requisitos básicos

  • Estar em boas condições de saúde
  • Ter entre 16 e 69 anos (desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos)
  • Pesar no mínimo 50kg
  • Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas)
  • Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação)
  • Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial

 Intervalos de doações

  • Homens – 60 dias (máximo de 4 doações/ano)
  • Mulheres – 90 dias (máximo de 3 doações/ano)

Impedimentos temporários

  • Resfriado: aguardar 7 dias após desaparecimento dos sintomas
  • Gravidez
  • 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana
  • Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses)
  • Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação
  • Tatuagem nos últimos 12 meses
  • Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis: aguardar 12 meses
  • Quem esteve em: Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins, estados onde há alta prevalência de malária deve aguardar 12 meses
  • Qualquer exame endoscópico (endoscopia digestiva alta, colonoscopia, rinoscopia etc); se com biópsia, é necessária avaliação do resultado: por 6 meses a 01 ano
  • Após extração dentária (verificar uso de medicação) ou tratamento de canal (verificar medicação) aguardar por 7 dias
  • Durante 4 semanas em caso de cirurgia odontológica com anestesia geral
  • Acupuntura: se realizada com material descartável: 24 horas; se realizada com laser ou sementes: apto; se realizada com material sem condições de avaliação: aguardar 12 meses
  • Quem tomou vacina contra gripe, aguardar 48 horas
  • Herpes labial ou genital: apto após desaparecimento total das lesões
  • Herpes Zoster: apto após 6 meses da cura (vírus Varicella Zoster)

 Impedimentos definitivos

  • Hepatite após os 11 anos de idade*
  • Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas
  • Uso de drogas ilícitas injetáveis
  • Malária

Mais detalhes sobre impedimentos definitivos e temporários, clique aqui.

* Hepatite após o 11º aniversário: Recusa Definitiva; Hepatite B ou C após ou antes dos 10 anos: Recusa definitiva; Hepatite por Medicamento: apto após a cura e avaliado clinicamente; Hepatite viral (A): após os 11 anos de idade, se trouxer o exame do diagnóstico da doença, será avaliado pelo médico da triagem.

 

Fonte: www.prosangue.sp.gov.br e site G1.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *