21/06 - Dia Nacional de Controle da Asma

Comunicação e Marketing

Voltar ao índice

No mundo existem cerca de 300 milhões de asmáticos, sendo 20 milhões deles no Brasil. Juntamente com a rinite, a asma é uma doença respiratória comum, que afeta tanto crianças quanto adultos.

O que é asma? A asma é uma doença respiratória crônica caracterizada pela inflamação e estreitamento das vias aéreas.

Quais são os principais sintomas? Os principais sintomas da asma são: dificuldade de respirar, chiado, aperto no peito e respiração curta e rápida. Os sintomas tendem a piorar à noite, no início da manhã e na prática de exercícios físicos.

Quais são os principais gatilhos da asma? Os gatilhos são fatores que fazem com que os sintomas da asma apareçam ou piorem. Os principais são: ? ácaros ? fungos ? pólen ? pêlos, descamação da pele, saliva, urina e outros tipos de excreções dos animais de estimação ? fezes de barata ? gripe e resfriado comum ? fumaça de cigarro ? poluição ambiental ? exposição ao ar frio

A asma tem cura? A asma não tem cura, mas tem tratamento e os sintomas podem inclusive desaparecer. Vale ressaltar que a asma varia de intensidade ao longo da vida e também varia de pessoa para pessoa. Portanto, apenas o médico pode avaliar a condição individual e passar o tratamento adequado.

Como prevenir as crises de asma? O asmático pode levar uma vida normal. Apenas precisa seguir algumas regras: ? identificar e evitar o contato com seus gatilhos. ? usar diariamente a medicação controladora prescrita pelo médico. ? consultar periodicamente seu médico.

Mitos sobre a ?bombinha?

?Bombinha? é o como os asmáticos chamam as medicações inalatórias usadas no tratamento da asma. Os médicos utilizam o nome de dispositivo. Um mito bastante difundido é de que a bombinha vicia. Isso não é verdade. Geralmente o que acontece é que o paciente não segue o tratamento de forma contínua e vai necessitando das bombinhas com maior frequência.

Outro mito é de que a bombinha faz mal ao coração. Os primeiros broncodilatadores que surgiram tinham como efeito colateral a aceleração do coração (taquicardia). As medicações atuais não apresentam mais este efeito. Portanto, as bombinhas não fazem mal ao coração.

Fontes: Organização Mundial da Saúde, Sociedade Brasileira de Pneumologia.

Voltar ao índice