Dia Mundial sem Tabaco - De que lado você está?

Comunicação e Marketing

Voltar ao índice

31 de maio - Dia Mundial sem Tabaco De que lado você está?

Nada menos do que 4.720 substâncias químicas, muitas ainda desconhecidas, sendo 60 delas comprovadamente cancerígenas. É isso que chega aos pulmões dos fumantes a cada tragada de cigarro. Só a nicotina, a toxina mais popular e famosa, é capaz de diversos estragos: além de ser a responsável por causar dependência, ela reduz o diâmetro dos vasos sanguíneos dificultando a chegada de nutrientes e oxigênio às células, o que ocasiona inúmeros prejuízos ao organismo. Estudos recentes já apontaram 56 doenças relacionadas ao tabagismo, incluindo doenças cardiovasculares e diversos tipos de câncer.

Vantagens para quem corta o tabaco:

A partir dos primeiros 20 minutos, a pressão arterial, a frequência cardíaca e a circulação periférica melhoram. Após o primeiro dia, os níveis de monóxido de carbono no sangue caem. O olfato e o paladar melhoram no segundo dia. Três meses sem fumar são suficientes para a função respiratória melhorar em 30%. A partir do terceiro mês também, a tosse e a falta de ar diminuem. Um ano longe do cigarro e o risco de ataque cardíaco cai para 50%. Depois de mais de uma década sem fumar, o risco de câncer pulmonar cai pela metade e de morte por acidente vascular cerebral e ataque cardíaco são semelhantes ao de uma pessoa que nunca fumou. Estatísticas mostram que ao deixar de fumar antes dos 30, os efeitos de fumar no resto da vida são inexistentes. Você ?ganha? 2 dias por mês. Se você fuma 20 cigarros por dia, perde quase 2 horas do dia fumando. Isso são 14 horas por semana ? pelo menos 2 dias por mês nesta atividade! Parar de fumar será motivo de orgulho para seus familiares e amigos. Mais fôlego e disposição para as tarefas diárias.

Fumo passivo: Prejuízo mesmo para quem não fuma.

O tabagismo passivo é a terceira maior causa de morte evitável no mundo, subsequente ao tabagismo ativo e ao consumo excessivo de álcool. A absorção da fumaça do cigarro por aqueles que convivem em ambientes fechados com fumantes causa: Nos adultos, um risco 30% maior de câncer de pulmão e 24% maior de infarto do coração do que os não fumantes que não se expõem. Maior frequência de resfriados e infecções do ouvido, além de um risco maior de doenças respiratórias como pneumonia, bronquites e aumento de crises de asma nas crianças. A exposição de gestantes não fumantes ao fumo passivo, aumenta o risco de abortos espontâneos, redução do crescimento fetal, nascimentos prematuros, bebês de baixo peso e de mortes fetais. Existem evidências de que a exposição pós-natal de crianças ao fumo passivo contribui para o risco de síndrome de morte súbita infantil. O bebê que respira a fumaça do cigarro apresenta um risco maior de desenvolver bronquite, pneumonia e infecções respiratórias em geral do que os bebês de mães que não fumam. Os filhos, cujas mães fumam durante a gestação, têm maiores riscos de desenvolver prejuízos no aprendizado, que pode se refletir no rendimento escolar.

Sem tabaco! Tratamentos oferecidos por instituições em São Paulo:

Instituto do Coração - INCOR Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 44 - Fone: 11 3069-5404 CRATOD Rua Prates, 165 - Fone: 11 329-4473 Hospital Universitário Av. Prof. Lineu Prestes, 2565 - Fone: 11 3812-8004 UNIFESP Rua Botucatu, 740 - Fone: 11 5576-4000 / 11 5576-4460 Prev Fumo - Lar São Francisco Rua dos Açores, 310 - Fone: 11 5904-8046 IAMSPE - Hosp. Do Servidor Público Av. Ibirapuera, 981 - Fone: 11 5088-8481 Instituto Dante Pazzanese ( paciente da Unidade) Av. Dante Pazzanese, 500 - Fone: 11 5085-6089 Hospital das Clínicas Rua Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 44 - Fone: 11 3069-6000 Para conhecer outros locais, acesse: www.portal.saude.sp.gov.br Cortar a dependência exige força de vontade e, muitas vezes, ajuda profissional. É um plano de médio a longo prazo que deve contemplar os hábitos, a saúde e a vida do fumante, para que se torne eficaz e definitivo.  Se outros conseguiram, você também pode conseguir.   Fontes: Portal da Saúde, Inca, OPAS, Pfizer, Revista Saúde, The Sun, Vigilância Sanitária  

Voltar ao índice